Instituto Maria, Me do Divino Amor

 

Intituto Maria, Mãe do Divino Amor


 

TIPO DA ENTIDADE:

 

O Instituto Maria, Mãe do Divino Amor surgiu através da Associação das “Discípulas de Maria, Mãe do Divino Amor”, na Catedral de Santana, por iniciativa do Padre Attílio Berta, a partir das condições precárias em que viviam um grupo (sempre mais numeroso de crianças e adolescentes) que tomava conta dos carros em volta da Igreja. Não existia nessa época o Estatuto da Criança e do Adolescente.

            Em 1.988, a obra voltou-se para o bairro de Botujuru, distante 10 km do centro de Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo, em que o padre também administrava a Igreja e era região carente de  infra-estrutura e com famílias que trabalhavam no cultivo de cogumelos, em situação de extrema pobreza, iniciando um trabalho de educação infantil com crianças  de 3 a 6 anos e, com o passar do tempo, também às crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos, em jornada ampliada, permanecendo até hoje. Atualmente são 155 crianças de 3 a 6 anos e 88 crianças/adolescentes de 07 a 14 anos, sendo vários filhos dos primeiros alunos do Projeto.

O contato com a realidade do bairro, durante todo esse tempo, mostrou a necessidade de dar condições para que o adolescente/jovem tivesse algum tipo de orientação para iniciação ao trabalho, assim em 1.993 teve início esse tipo de atendimento com a construção da Casa do adolescente N.Sra da Glória, no mesmo bairro. Em 2.007, esta Unidade de Prestação de Serviços, conta com 120 crianças/adolescentes em jornada ampliada, com oficinas de: resgate da memória cultural do bairro, ritmos brasileiros, xilogravura, leitura, esporte, informática, artes e artesanato, infância missionária e uma Biblioteca comunitária com 500 inscritos e 6.000 títulos doados pela comunidade e empresa SCL John Deere – Trator Agro, bem como com 60 jovens em cursos de violão, coral, teclado e informática.

Na época, em 1.993, a situação das crianças e adolescentes que ficavam ao redor da Catedral de Mogi havia se agravado, a maioria provenientes de cidades vizinhas ou do Vale do Paraíba  haviam cometidos roubos, assaltos e outros delitos e faziam das ruas sua morada. Não havia ação concreta das autoridades, eram perseguidos pelos políticos locais e pela polícia, viviam em constante tensão e medo de serem presos.

            Em agosto daquele ano, foi aberta com autorização do Bispo diocesano, o casarão situado nos fundos da Catedral, a Casa da Criança N.Sra Santana, para dar abrigo as crianças e adolescentes nessa situação. Em fevereiro de 2.003, as crianças abrigadas foram transferidas para o novo prédio da Casa da Criança N.Sra Santana, na Rua Antonio Fernandes – 90 – São João, contando com a parceria do Instituto Terra – Projetos Comunitários, que decorou a casa. Nesta data contamos com 28 crianças encaminhadas pelo Poder Judiciário, sendo que em 2.004, foi aberta a Unidade Casa São José, no Botujuru, para acolher os adolescentes, cujos irmãos ainda eram crianças.

            Em 1.999, foi aberta outra unidade de prestação de serviços, localizada na Estrada Mogi-Guararema Km 10, para atender as crianças de 3 a 6 anos e, que atualmente atende 50 crianças em regime integral, filhas das mães trabalhadoras no plantio de cogumelos, contando com o Projeto Vale do vento para geração de renda.

            Do ano de 2.004 a 2.006, em parceria com a Secretaria Municipal de Ação Social e Cidadania, a entidade executou o Projeto GAP (Grupo de apoio psicológico a crianças e adolescentes encaminhados pelo Conselho Tutelar) com 80 atendimentos mês, de crianças e adolescentes de 0 a 17 anos vítimas da violência.

Foi em 2.004, também, que o Instituto assumiu a creche “São Francisco de Assis”, com 40 crianças em horário integral, de 02 a 06 anos, no bairro de Cocuera.

            O projeto mais recente, denominado Âncora, tem por finalidade realizar abordagem nas ruas para encaminhamento a Programas Sociais das crianças e adolescentes em situação de risco social, pessoal e mendicância, bem como acolher em casa de passagem, por até 20 dias, crianças e adolescentes provenientes de outras cidades, bem como em situação de pré-abrigamento. No mês de fevereiro de 2.007 foram 63 crianças/adolescentes abordadas nas ruas e 24 acolhimentos, na casa.

            O Instituto participou do curso GESC, promovido pela Associação de ex-alunos do MBA – administração da USP e Cia Suzano de Papel, para capacitação de organizações da sociedade civil. Nesse momento estamos na elaboração de nosso Planejamento Estratégico e na busca de soluções de sustentabilidade.



Galeria de Fotos